domingo, 13 de dezembro de 2009

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Como arrumar um emprego?

1ª Dica
Conserve suas "boas" amizades.

2ª Dica
Seja puxa saco.

3ª Dica
Não seja competente.

domingo, 8 de novembro de 2009

Tatuagem

Acho que as tatuagens são uma forma de expressar alguma coisa que considerem importante, uma simbologia, ou desenhos cheios de significados e que tem o próprio corpo como lugar de registro.

As vezes eu tenho uma opiniaõ estão distante da realidade. Para a maioria das pessoas tatuagem é uma moda, todos querem ter, pra mostrar que tem. Virou uma prova de amor, em menos de um mês de namoro já está tatuado o nome do amado ou amada. Porém pra alguns ela ainda é uma coisa séria, algo sagrado.

Sempre achei tatuagens algo intrigante, uma verdadeira obra de arte e para os mais intimos sempre pergunto o por que de ter seu corpo tatuado. Sou indiscreta mesmo. rsrsrs

As vezes tem respostas comovonte, outras patéticas e algumas cheias de segredos. Essa semana encontrei desse tipo, cheia de mistério. A mulher tinha tatuado no seu corpo uma pequena frase.

Depois de você...

Não pude resistir e depois de ter olhado pra a tatoo um bom tempo, fiz a pergunta.

__Por que o depois de você...?

Ela me olhou, deu um sorriso e só me respondeu:

Porque depois de você...

Ficou curioso?

Eu também.


sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Lua

Ao sair por destrás de vastas montanhas, pequenas serras ou no reflexo das águas, ela vem mostrar o quanto é bela. Ela vem dá luz a escuridão, vem iluminar os passos dos guardiões da noite.

Ao mesmo tempo que nos encantamos com sua beleza, nos intrigamos com suas imagens sem definições, sem significados concretos, talvez isso a deixe ainda mais fascinante.

Muitos dizem que ela para os apaixonados ela é uma prova de amor e para os tristes, um consolo. Diria que ela pode se defini nesses elementos, mas diria que ela é simplesmete uma obra perfeita que nos provocar a olhar, olhar e admirar, sem por que ou significados.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Último semestre

O que você faria se soubesse que hoje é seu último dia de vida?

_ Eu comiria duas caixas de chocolate, colocaria um pinceg, faria uma tatuagem, compraria um monte de besteira...

O que você faria se soubesse que esse é seu último semestre na faculdade?

_ Participaria de todas as comissões.

Hehehe.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

****

"Não sentimos falta do que nunca tivemos e sim do que nossa imaginação pensou que teve por um breve instante."

domingo, 18 de outubro de 2009

Entender


Se pudessem me entender...

Mas isso é impossivel!!!!!!!!

Nem eu me entendo...

Se pudessem entender minhas atitudes...

Mas isso é impossivel!!!!!!!!

Nem eu às entendo...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Um Ano de Blog

Hoje é comemorado o dia do professor, sou meio avessa a essas comemorações, pois é como se em apenas um dia fossemos especiais, tivessemos direito a regalias, um lanche mais encrementado, presentes ... O dia do professor é todo dia e com muita luta. Infelizmente essa comemoração já se incorporou em nossas sociedade

Fora a comemoração que vivi hoje como professora, também tenho uma comemoração em especial. Um ano de blog!!!!

Então começei a lembrar de como esse blog nasceu, ai entra em cena pessoas, histórias... Entre as pessoas entra meu amigo George, nos conhecemos de uma maneira tão inusitada, com tudo pra não dá em nada, mas indo contra tudo, nos tornamos amigos, grandes amigos. Com a relação que tenho hoje com ele me permito até a me convidar para ser madrinha do casório dele com Babi. Hehehehe.

Voltando... eu e George dividimos nossas angústias, fracassos, sucessos, sonhos e até projetos. Um dia ele me disse:

__Maisa escrevo em uma revista!!

__Como assim escreve em uma revista?

Amigo chique é assim mesmo, pena que nem tudo que ele escrevia eu entendia. rsrsrs. Ele escrevia em uma revista de Poker, agora com muito bom humor, o que fazia eu compreender partes dos seus textos. Fora ao textos na revista ele também tinha um blog.

__Mas o que é isso?

Até conhecer George eu não sabia. rsrsrs. Com curiosidade li todos os textos do Blog dele. Aquele Roxá (nome do blog) tinha história. Só que George parou de escrever, apesar de minha insistências. Acho que um dia ainda compro um livro dele, visto que escreve super bem. Mas até lá eu ia ler o que? No roxá tinham uns links para outros blogs, e assim continuei a ter acesso a outros blogs que tinham acesso a outros e assim vai... Virei uma blogeira leitora.

Sou muita invejosa e começei a me imaginar escrevendo também. De inicio tinha uma pasta no meu email onde eu escrevia, mas não compartilhava com ninguém. Tinha medo de me expor, acho que ainda tenho e tanto que as metáforas perseguem esse blog. Partindo dessa pasta do email, surge uma história...Um dia em uma aula de arte e educação li uma frase que dizia que "Imaginar é mais que viver" Barchelard.

Poxa que frase linda!!!!!!!!Acho que ela passou dias no meu perfil do orkut e do msn e até hoje ela tem lugar especial na minha agenda. A frase foi um ápice para várias leitura sobre imaginação e me enxergar em várias entrelinhas como uma mulher que vivia metade realidade e metade imaginação, uma forma de sarnar todos os meus desejos.

Imaginação entrou no ponto de pauta de minhas conversas... um dia me perguntaram que se eu escrevesse um livro, qual o nome que daria. Respondi no impulso:

__Imaginação. Ou melhor a Cor da Imaginação, pois minha imaginação é branca, preta, vermelha, verde...depende muito do momento. Iria escrever tudo que imaginava.

Pronto agora já tinha um nome para a pasta que guardava no email. Mas pra que eu a deixava lá? Tinha dias que não estava legal , escrevia e no dia seguinte excluia.

Como as coisas em minha vida acontecem por impulso, foi em um desse que a "A Cor da Imaginação" deixou de ser só uma pasta e virou um blog e hoje está completando seu primeiro niver. É nesse espaço que escrevo um pouco de mim, de minhas alegrias minha tristezas. Escrevo pra mim, às vezes para os outros lerem e entenderem como estou...

"A Cor da Imaginação" virou minha amiga e minha mas fiel confidente, se ela vai continuar sendo minha amiga, só o tempo vai dizer, mas uma coisa é certa, "A Cor da Imaginação" será a lembrança de momentos que vivi e registrei em pequenas palavras.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Pessoas

"Sem um por que as pessoas entram em nossas vidas, sem um por que elas permanecem e as vezes sem um por que elas se vão. Pessoas não precisam de por que pra entrarem, permanecerem ou saírem de nossas vidas, elas apenas precisam existir. Pois o simples fato da existência é o que as tornam especiais".

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Presente

O que fazer quando o passado te atormenta e o futuro te aflige?
Viver o presente!!!!!!!!!!!!!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

CEEU

Esse último final de semana participei do Conselho das Entidades Estudantis da UNEB...

__Oxente, mas tu não prometeu que não ia participar de mais nada?

__Pois é, sou ótima pra quebrar promessas. Hehehehe.

Aliás o CEEU foi culpa de Ró, que me convidou ai fiquei com uma vontadissinha, depois uma vontade e ela foi aumentando e quando vi já estava rumo a Brumado. Até as 30 horas dentro de um busu acabou sendo legal.

__Mas não é tu que reclamar de viajar pra lugares longes?

__É sim, só que tava com tanta vontade de ir para o CEEU que nem me liguei nisso. O busu foi uma das melhores parte, ou se não nunca ficaria sabendo que em Serrinha o povo não sabe fazer purê, não teria conhecido os piores cantores do planeta terra...

O CEUU foi uma experiência ótima, fiquei conhecendo mais sobre o Movimento Estudantil - ME e todas as questões que permeiam esse movimento. Também não posso esquecer que nesses encontros conheço muita gente legal, seria injusto lista-lo aqui, são tantos...mas uma merece destaque, Deca, um anjo que encontrei no CEEU.

Mas depois que cheguei do CEUU fiquei preocupada...

__Por que????

__Porque agora quebro minha promessa de vez, quero participar de tudoooooo. Já estou com uma vontadissinha de ir pra BH participar do FONEPE, o povo mineiro deve ser maraaaaaaaa.

Culpa de Ró novamente. Hehehe.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Final de Semana

Há muito tempo que não tenho uma final de semana tão agitado. Agitado no sentido de muita agitação animação e por que não de um profundo arrempendimento quando chega segunda. Depois de uma feijoada, de um casamento e de um churrasco estou me sentindo o Soares e ainda dizendo aquela frase.

_ Um beijo do gordo, no meu caso " Um beijo da GORDA!!!!!!!

Mas estou tentando me redimir e hoje malhei 1h30min. Espero que amanhã eu continue arrependida e continue a malhar.

Apesar dos arrepedimentos o final de semana também serviu para reencontrar os amigos e pra mais uma vez eles me falarem o quanto mudei.

Será que mudei mesmo? Espero que sim e que continue mudando, sempre pra melhor.

Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião sobre tudo!!!!

terça-feira, 15 de setembro de 2009

TCC

Hoje me matriculei em TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. Estou a um passo de deixar a faculdade. Isso pode soar com um ar de felicidade, mas acho que os sentimentos se misturam, pois no meu ser também habitar um ar de tristeza, saudade...

Kundera diz que o mal do ser humano e querer que a vida seja um ciclo, no qual queremos viver várias vez o mesmo momento e esquecemos que a vida é uma linha reta. Teremos momentos de felicidade, mas períodos únicos que não se repetem.

Nesse aspecto queria que a vida fosse um ciclo e que em suas voltas os momentos que vivi na Universidade se repetissem. Foi nela mudei 360º grau como diz minha vizinha, foi onde me encontre como mulher, como aluna, como educadora, conhecir pessoas especiais, amigos encantadores...

Estou fazendo uma retrospectiva de tudo que acontecem durante esses 4 anos, lembrando dos momentos de estudo, de madrugadas adentro, de resenhas, de comemorações, de brigas... E ao mesmo tempo me indagando sobre que profissional me tornei. Posso não ter virado uma boa profissional, acho que isso só o tempo e a prática vão me responder.

De uma coisa apenas tenho certeza, que nunca mais serei a mesma.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Previsões de uma Mãe




Mainha
me disse uma vez que ia sofrer muito nesse mundo por que eu era besta demais.



Acho que ela tinha razão.


Senhor ajude-me a mudar e não confiar tanto nas pessoas.

domingo, 16 de agosto de 2009

Como estou?????

Hoje eu estou um pilha, sem saco, abusada e com mais um conflito. No dia em que eu não tiver algum conflito acho que deixarei de ser eu. Eles me perseguem com uma voracidadeeeeee, nem me livro de um e já tenho outro ganhando espaço, contudo são com eles que aprendo a viver, quebrar a cara, curtir, sofrer..., um monte de sentimentos e emoções que deixa essa minha vidinha mais animada, já pensou se eu não o tivesse? Seria um ócio retado!!! Que eles venham, só preciso está preparada para enfrentá-los com muito bom humor.

Estou um pilha por conta de tanta coisa da faculdade, é seminário, artigo, relatório...ufa!!! Estou a dias sobrecarregada, sem dormir direito, estressada, fazendo os trabalhos por metade. Nessas horas que me pergunto se isso vale a pena. Sou apaixonada por meu curso, mas essa cobrança excessiva e muita vezes desnecessária estão fazendo com que eu perca o tesão por ele. Essa semana tive a prova que nossa relação está em crise, pois durante a aula, ao invés de está prestando atenção, debatendo, questionando, eu estava comentando sobre a cueca do professor que insistia em mostrar seu horrível cofrinho. Hehehe

Estou abusada tb, mas acho que isso é normal, faz parte do mim. rsrs

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Niver - Parte 2

Fiquei devendo uma postagem sobre como foi meu niver. E que fiquei tão emocionada que não conseguir escrever ontem a noite. Mas hoje vou relembrar meu dia de ontem.

Primeiro, lembram daquela história de ontem? A da confusão? Pois é, ela rendeu e virou uma confusãoooooooooooo. Até esclarecimentos tiver que dá, mas não vou me estender muito não pra não me chatear mais ainda. Depois dos esclarecimentos descobrir que minha irmã tinha brigado com o namorado por minha causa , ou melhor por conta de uma atitude minha que foi mal interpretada.Tentando resolver isso, acabei descobrindo outra coisa horrível. Meu Deus!!!!!!!! Pareciam que todas as minhas atitudes estavam sendo mal interpretadas.

O dia que era pra ser especial, estava virando um pesadelo. E pra acabar de completar ainda tinha seminário a noite. As preces para a dor de barriga do professor não funcionaram e ele ia dá aula.

Tudo bem, vamos fazer o que? Só me restava apresentar seminário!!!!!

Depois de uma longa espera, estava apresentando os conceitos para o ensino da matemática. Explicava e imaginava que aquele era meu dia e que ele deveria ser diferente...

Após o seminário, minha colega Eurides pediu pra turma cantar parabéns para a aniversariante, no caso eu, depois veio os abraços, as felicitações, bolo...

__Bolo?????????????????


Sim, estavam fazendo uma surpresa para mim. Com slides e tudo. Os slides sempre foi uma característica minha, pegava as fotos mais hilária das pessoas e construia uma história junto, como uma forma de homenagiar-lás. Agora era eu a vitima, até foto minha em baile de carnaval tinha. rsrs

Depois teve cartão com mensagem e muito choro, muito choro mesmo. Nunca fiquei tão emocionada em minha vida, não esperava aquela atitude da turma. Chorava de emoção, alegria, de desabafo por um dia ruim... Precisava daquilo pra me sentir feliz.

Ahhh, esqueci de contar, o cabelo não foi presente meu e sim deles. O povo doido!!! Eles tem cada ideia. Aonde eu ia imaginar que eles estavam de combina com a dona do salão.

Resumindo... depois de um dia tempestivo, só uma chuva de amigos pra tornar esse dia especial

Valeu galera!!!!!!!!!!!!!

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Niver!!!

Galera são 00h08min do dia 06 de agosto de 2009, resumindo meu niver!!!!!!!!!!! O dia mais especial do ano. Hehehe.

Esse aniversário tem tudo pra ser inesquecível, ou tinha. Inicialmente dei adeus a minha madeixas e estou aqui com apenas 1/4 do cabelo na cabeça. Alvoroço para muitos.

__ Tu é doida!!!

__Que radical!!

Sempre achei lindo mulher de cabelo curto e como todo ano acabo esquecendo de me presentiar esse ano resolvir me presentiar mais cedo. A mudança foi tanta, que fiquei na boca do povo e para completar essa noite ainda me envolvi em mais uma confusão. Não que eu seja dada as confusões, mas elas me procuram. Tento ser correta e ir a luta por meus direitos, mas nem todos gostam disso. O povo quer mesmo é ser submisso (não que eu não seja), que ouvir tudo calado, sem questionar.

Deixando de lado a confusão, o caso é que estou em evidência, ou pela mudança no visual ou pela confusão.

Agora fiquei pensando em como será o resto do meu dia . E cheguei a conclusão que vai ser mais um dia como outro qualquer e até a noite que poderia ser diferente, vai ser a base de muito seminário na faculdade.

Pois é, ninguém merece!! Ou eu mereço passar minha noite falando um monte de blablá...

Aguardem pela postagem da noite, quem sabe algo extraodinário acontece, o professor dá uma dor de barriga por exemplo, não seria nada mal.

Hehehe

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Uma verdade

"Toda ação humana é interessada"

Será?


Concerteza!!!!!!

sábado, 1 de agosto de 2009

Fotos

Fotos são minha paixão. Hoje passei um tempo olhando as fotos que tirei em Recife, coisa pouca apenas umas 400. Elas de todos os lugares, de todos os jeitos, de tudo que quero recordar. Sei que depois de um tempo algumas dessas fotos não farão sentido nenhum, foi mais um lugar, mais uma pessoa...

Mas outras marcaram essa viagem com um brilho especial, como uma conquista, algo que parecia impossível, que era distante e por alguns minutos se tornou tão real, tão verdadeiro. Representação de algo que sempre ficará guardado em minha mente.

Em um futuro distante, quero olhar para essa foto e dá um sorriso, talvez dizer que nada é impossível, ou simplesmente dizer que...

Emoções em vivi!!!!

quarta-feira, 29 de julho de 2009

29º ENEPE - Recife

Mais um encontro de Estudantes de Pedagogia!!!!!!

Esse especificamente reunia os estudantes a um nível nacional. Acho que nunca esperei tanto por um um encontro nacional, seria como um complemento para minha formação, visto que estaria dividido experiências e frustrações com pessoas de vários cantos do país.

A cidade escolhida para cedia o encontro foi Recife, mas um motivo pra eu querer participar . Há anos esperávamos por um encontro na capital pernambucana, porém a um força maior que faz com que tudo aconteça no tempo certo e o tempo ideal seria agora (eu que o diga).

Preparativos e stress não falta quando ser quer participar de um encontro, muitos ficam em suas carteiras esperando alguém dá um ponta pé inicial na busca por transporte, apoio financeiros e outras coisas. Outros são os que correm atrás, levando não, se aborrecendo com os acomodados , enfim os bestas. Bestas sim, pois todos participam da mesma forma e usufruem da mesma cadeira do ônibus.

Nem preciso dizer de que lado fiquei. É mais forte que eu, quando vi já estava lá organizado a ida da delegação. Peço tanto para ficar fora disso, mas o povo ama me chamar para essas coisas e eu me odeio por entrar nelas. Essas organizações são feitas para pessoas fortes e não para bobas que nem eu.

Chateações a parte, estavámos todos prontos para mais uma viagem. E que viagem , 14 horas dentro de um busu, sem ar condicionado e assistindo Reinaldo Gianechini com Paola Oliveira dentro de um quatro, ou seja o filme "Entre lençois". Queimei meu filme antes de sairmos da Bahia. Como é que eu ia imaginar que tinha tanta cena picante. Nada que nós não fazemos...

__ Só que as evangélicas não, Maisa.

__Tá bom esqueci deste detalhe, mas elas não sabem o que estão perdendo.

Depois de um dia inteiro de dormir, acordar, conversar, assistir, comer, cantar...chegamos em Recife.

__Peraí, que chuva é essa?

Acreditem se quiser, estava caindo um dilúvio em Recife. Tristeza para os muitos biquínis dentro da mala.

__Biquíni?? mas vocês não estavam indo para um encontro de estudantes ?

Na teoria é isso, mas a grande maioria faz um turismo nesses eventos e esse bem que mereceu. O encontro estava desorganizado, faltava informação, passavamos muito tempo procurando os espaços, resumindo um horror.

Até eu que sou super caxias (aquela que vai para todas as palestras, não perde uma atividade e não conhece nada da cidade) dei uma de "perdida" nesse encontro. Perdida no bom sentido, pois a Maisa dita normal não sairia para rua, não participaria da noite cultural até 2 da manhã não viajaria para Porto de Galinhas e um série de coisas que não me reconheci. Se estava perdida ou não, o negócio é que adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.

Quero me perder mais vezes. rsrs

Só que como nada muda totalmente assim, tive que retorna aos tempos de caxias, afinal estava representado o Campus VII com um trabalho. Minha noite, como costumava falar, foi fantástica, poderia ser melhor se eu não tivesse dado as costas para algumas pessoas. Pequenos detalhes.

__Nada é perfeito Maisa.

Concerteza nada é perfeito, mas nas imperfeições descobrimos o caminho para a perfeição. Por isso acredito que nos erros que comenti nesse encontro, está o caminho para muitos acertos. Quem sabe não começo a entender mais a diversidade do mundo e passo a me decepcionar menos com as pessoas. Sei que ninguém é igual a ninguém, mas pelo menos vamos respeitar o espaço do outro galera.

Para não terminar essa postagem com esse clima de decepção, queria registrar que foi em Recife que vi um diamante brilhar, amizades nascer e encantos se quebrar.

29º Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia - Recife - PE (19 a 25 de julho de 2009)

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Sem tempo...

Quando me propus a fazer esse blog, queria que ele fosse a lembrança de um tempo que não volta mais, de coisas legais, engraçadas, tristes que vivencie nessa minha vida. Há dias não escrevo, estou afogadas em tantos afazeres, que mal sobra tempo pra visitar aos amigos blogeiros.
Como esse blog é o registro dos acontecimentos da minha vida, quero apenas registrar que nunca trabalhei e estudei tanto. Em contrapartida estou me sentindo muito realizada.

Que venha mais trabalho e mais coragem!!!!!!

Pois isso sim vale a pena e não as utopias que moram em minha imaginação.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

O que vale a pena?

Esses dias tenho feito uma auto-reflexão sobre minha vida e ao mesmo tempo me indago muito sobre o que vale a pena. Essas indagações são complexas, pois me sinto orgulhosa do meu empenho e dedicação a faculdade e estou feliz por ter tido um trabalho aprovado no Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia, mas, ao mesmo tempo me sinto roubada de coisas que acredito ser essenciais. Hoje a noite queria está dormindo, quem sabe conversando com uma amiga, recebendo um carinho do amado... mas estou aqui a horas em frente a computador tentando terminar mais um relatório. Essa noite não estou legal, a mente e corpo estão cansados. Preciso muito acreditar que isso vai valer a pena, pois a estrada é longa.
 

domingo, 7 de junho de 2009

Pessoas

"As pessoas não são o que parecem, não são como deveria ser, e não são como gostariamos que fossem. São exatamente como são."

Autor desconhecido


Obs. Quando eu entender o sentido dessa frase irei me decepcionar menos com as pessoas.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Mais uma greve?


Entre as dificuldades de se estudar em universidades públicas , está o risco constante de greves, depois que passei no vestibular tive que esperar 7 meses para começar a estudar e um ano depois passei mais 3 meses em casa. Ontem teve paralisação de professores e funcionários, um indicativo para mais um greve. A terceira que espero não enfrentar.

Alunos em sua grande maioria pouco se envolve nos movimentos que permeiam as greves, o que deveria ser o contrário, afinal somos os mais prejudicados com todo esse descaso que ocorrem nas universidades públicas. Reconheço que faço parte desse grupo, pois fico desanimada com os "não" resultados das greves anteriores. Só tenho visto o prejuízo, visto que à tempo temos que estudar em semestres apertados, tendo que passar por cima de vários contéudos para tentar sanar o tempo que julgam se perder nas greves. Com isso estamos tendo uma formação feita nas coxas, me perdoem a expressão.

Apesar de situação está ruim, acredito ficar pior com mais um greve.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Promessas

Quando encontramos uma lâmpada mágica fazemos três pedidos, mas quando levamos um fora fazemos três promessas.

1. Não ficar mexendo os olhos enquanto converso.
2. Parar de roer unhas.
3. Falar pausadamente.

Rsrs

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Futuro da nação

Dizem que o futuro da nação está nas mãos das crianças...

Pena que nossas crianças estão cada vez mais egoístas, mimadas, agressivas e individualista.

domingo, 17 de maio de 2009

Como é difícil ser a Juliana Paes

A história de minha semelhança com a Juliana Paes está se espalhando tão rápido como a gripe suína, pois até um conhecido que está morando na Espanha fez um comentário sobre nossa semelhança. Como sempre dei uma risada meio sem graça, fiquei vermelha e falei que não acredito possuir essas semelhanças. Fica até parecendo modéstia minha, mas é verdade, não encontro.

Contudo, de tanto me falarem isso começei a acreditar. Também não posso ser tão convecida assim, eu devia ficar feliz em ser comparada com uns dos símbolos sexuais do Brasil. E no fundo esses comentários fazem um bem danado por ego. Então resolvir aceitar ser o cover dela e já estou até aceitando ser chamada de Creuza, Maya...

Observando mais atentamente a Juliana Paes, reparei que nossos olhos são grandes, lábios carnudos, cabelos pretos, glúteos avantajados... Peraí, mas ela não tem barriga e nem pneuzinhos. Ou se tem, ficam bem camuflados no jogo de luzes das gravações, nos fotoshop das fotos, em ângulos melhores ou simplesmente é resolvido com uma boa lipo.

Maisa coitada, não tem nada disso, o jeito foi entrar na academia para ficar em forma. Ai descobrir como é difícil ser a Juliana Paes.




terça-feira, 12 de maio de 2009

Seis

O número seis e carregado de significados, os numerólogos dissem que a pessoa que carrega no seu nome a vibração numerológica do mesmo é uma pessoa carinhosa, compreensiva, meiga, responsável, passional, humanista, e com uma grande necessidade de ajudar aos outros.

Sou tudo isso????

Segundo os numerológicos sim. Hehehehe.

O seis pra mim tem outros significados, como o fato desse número ser o do dia do meu aniversário, o dia mais importante do ano, também pelo fato de ser par, sempre tento manter os números pares em tudo que faço, parece loucura, mas chego a excluir ou acrescentar coisas e objetos para manter ao meu redor os números pares.

Hoje contrário a tudo que acreditava, tive uma má notícia que envolveu o número seis, nem eu consigo acreditar que tirei seis na redação da PM o que me deixou foram dos convocados. Estou p... da vida com a licença da palavra e não paro de questionar como pode uma pedagoga que vive escrevendo e lendo tira seis em uma redação.

Tudo bem que eu entrei na faculdade com um seis na redação, mas depois de três anos eu não conseguir subir no conceito, é sinal de que as coisas não vão bem no meu processo de produção ou eu não convenci aos avaliadores do concurso com um texto que frisava a auto-ajuda como um dos elementos pra diminuir a violência. Resumindo escolhi um péssimo tema e fiz uma péssima redação e como consequência estou fora do concurso.

Essa notícia é motivo de festa para muitos. Falaram tanto, que chegaram a me deixar aflita por conta desse concurso, entrei até em conflito. Entretanto tudo acabou, ninguém precisa fazer mais terrorismo que estou fora e por causa de um seis.

Ahhh, e como não poderia deixar de ser, a profecia continua se cumprindo, ou seja, esse é mais um concurso em que bato na porta e não entro. Minha irmã disse que cobro demais de mim por conta disso e que eu deveria ficar feliz, visto que das 4000 candidatas eu estou entre as 100 melhores.

Infelizmente esse sentimento parece ser mais forte que eu, estou chateada, triste... contudo estou melhor do que esperava, mais consciente e aguardando a minha vez de entrar no mercado de trabalho.

domingo, 10 de maio de 2009

Imaginação

Ela é colorida
rosa, preta, branca...
eu escolho a cor da momento.

Ela me faz viver uma vida que não tenho,
me faz ter coisas que jamais posso adquirir,
com ela me torno o que jamais fui.

Através dela viajo o mundo,
conheço lugares,
reencontro pessoas.

Perto dela supero todas as adversidades,
mando a saudade embora,
choro por lembrar de pessoas que não retornarão.

Ela provoca as melhores alegrias,
as piores tristezas,
momentos inesqueciveis.

Com ela vivo o passado,
planejo o futuro,
vivo uma vida inteira em minutos,
destruo todos os planos em segundos.

Com ela, falo, grito, corro, pulo...
mas quando abro o olhos,
ela me diz que existe um realidade,
que não pode ser imaginada.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

De volta ao paraíso

Nessa segunda-feira começaram nossas aulas, a turma tá toda feliz, animada, empolgada...

__Tudo mentira!!!!!!!

A galera está num desanimo, numa cara de cansaço, de quem ainda quer férias, aliás, se que é podemos chamar de férias o que tivemos. Quando penso que essa loucura toda é por causa das greves e agora temos que correr atrás para adequar o calendário chego a ficar p... da vida. Mas calma galera já estamos no 7º semestre e a um passo de sairmos do paraíso.

Nossas aulas começaram oficialmente dia 28, porém as salas de aula estavam ocupadas com as defesas de monografias... olha ai outra coisa que me deixa inquieta. As pessoas passam anos estudando, no final do curso escolhe uma temática, passa mais alguns meses de dedicação exclusiva a esse trabalho, passa por uma banca avaliativa e depois o trabalho vai para em baixo do balcão da biblioteca.

Me incomoda o fato do descaso com nossos trabalhos, apesar que por não cabe mais embaixo do balcão, a partir de agora eles vão para a estante, mas mesmo assim o descaso ainda persitem. Estou na faculdade há três anos e não ouvir falar desses trabalhos de conclusão de curso, o que eles abordam?Que dicussões fazem da nossa realidade?

Sei que se eu quiser posso olhar os trabalhos na biblioteca, mas as vezes acho horrível, passamos horas estudando e discutindo algum teóricos de 1800, estrangeiros, chatos, vazios e sem conexão com nossa realidade, contudo eles permanecem lá, pois a academia por obrigação tem que repassar as teorias deles.

Poxa e os trabalhos dos nossos colegas que estudaram e criaram suas próprias teorias sobre a educação local ou circuvizinha, fica a onde? Não estou querendo expulsar os famosos teóricos de nossas aulas não, acho que eles são a base para a criação dos nossos trabalhos, mas me sinto incomoda em ver tantos colegas saindo da facul, voltando pra suas atividades e suas produções ficaram assim, como apenas um trabalho, ou na verdade é apenas mais trabalho, e eu e que vivo na utopia de que poderemos mudar algo com nossas produções.

Me desculpem a postagem, estou chateada, pois ao assistir as monografias tive consciência que meu trabalho será mais um que ficaram embaixo do balcão ou em um canto qualquer.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Tomando todas

Ainda sentindo os reflexos de uma crise que felizmente está passando, fui surpreendida com um convite, assistir ao show de Silvano Salles.

__Quem é esse?

Não faço a mínima, só sei que é um cantor estilo "Brega", mas como aqui é difícil ter shows, é melhor do que nada.

Hora da produção... roupa pra cá, roupa pra lá e enfim uma escolha mal sucedida. Resumindo um vestido estilo anos 60 pra uma noite nublada e com um vento que insistia em levanta ele a todo instante, foi uma guerra, cheguei a ouvir preces ao céus para ele levantar.

Felizmente Deus foi muito bom, o vento passou e o vestido continuou ali, comportado diante de toda a agitação que foi a festa. Esqueci que sou "recatada", e dancei, pulei, zuei, fiz tudo o que acreditava ter direito e isso incluiu até um goles de cerveja e montilla. Estava afim de afogar as mágoas ou melhor as crises no miserável do álcool.

Como toda novidade que essa pessoa faz e motivo de comentários, essa noite em especial também não faltou.

__"Que milagre tu aqui, por isso que está nublado".

__"E tu mesmo?"

Confesso que os comentários me deixam incomodada, acho que até eu já me acostumei com os rótulos de menina comportada, recatada... porém acredito que preciso viver todas essas experiências de pessoas comuns, mesmo que depois eu acorde com a cabeça do tamanho do mundo e com um mal humor dos infernos.

sábado, 25 de abril de 2009

Dilma Rousseff

Hoje a ministra Dilma Rousseff anunciou que descobriu recentemente um câncer e que está em tratamento, mas que mesmo assim não irá se afastar de suas atividades.

No fim do seu pronunciamento ela disse:

“Eu não tinha nenhum sintoma, daí a importância, daí a gente aproveita essa oportunidade para falar para as pessoas que as pessoas têm que fazer prevenção.”

Parece que ela esqueceu que nos moramos no Brasil, aquele país em que as pessoas morrem na fila de espera, e isso doentes, imagina alguém sadio pra fazer um enxame de rotina, é esperar em média um ano. Se alguém tivesse com o mesmo problema dela, possivelmente só descobriria na fase avançada do câncer . Sei que é trágico o que estou escrevendo, mas isso se chama realidade, mesmo que essa pessoa fosse fazer os enxames de rotina, não seria atendido a tempo.

Nossa ministra poderia ter aproveitado a oportunidade para analisar o quanto a prevenção é importante pra população e influenciar aos responsáveis pela saúde à resolver os descasos da saúde pública, pois ela pagou todos os seus enxames com nosso dinheiro e nós infelizmente temos que esperar, esperar, esperar... pelo atendimento público.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Matrícula

Galera estou aproveitando minha "grandes férias" com viagens, curtição...

__ KKKKKK, me poupe Maisa.

__Ah imaginação você é foda, nem deixar eu ser feliz, o que é que tem eu imaginar que estou aproveitando minhas férias, ao invés de estar fazendo projeto, colocando leituras em dia, dando faxina em casa, pondo as coisas em ordem...

__Tá vendo por que você não pode imaginar tudo isso? Com esse tanto de coisa pra fazer em 10 dias de férias não sobra tempo pra imaginar nada. Conformes com suas férias de fachada.

__Essas férias de fachada é a verdade pura, nem nas férias temos sossego da faculdade, pois tem a matrícula. Aquela coisa chata, burocrática e obrigatória de todo semestre, quando imagino que temos que perder o maior tempo naqueles procedimentos...

__Peraí, você não está contando toda a história.

__Ah é, a que trabalho na matrícula. Pois é desde do 3º semestre ainda ganhei esse presente de trabalhar na matrícula, ou seja tenho que fazer a minha e acompanhar o processo de mais uma 200.

Já até pensei em deixar esse sofrimento, mas fico com pena de minha coordenadora e acabo indo para o stress. É um carimba pra cá, um pega pasta prá lá, resolve problema de uma lado, anota disciplina de outro...

__ Ufa!! já cansei.

__É já cansou, agora imagina esse movimento durante 4 horas ininterruptas. Loucura, loucura!!!

Ainda tem as partes trágicas de se trabalhar com aluno (sou aluna, rsrs) muitas vezes eles não entendem, querem do jeito deles e acabam deixando o clima mais pesado ainda. Acusações e até danos materiais a coordenadora já sofreu, eu pelo menos aguento só as caras feias e os buchichos de "puxa-saco", "só que ser" entre outros.

Termino feliz por ter sobrevivido à mais uma matrícula e na esperança que quando meus netos entrarem na faculdade, (do jeito que as coisa nas universidades públicas são lentas ) já tenham criado um sistema informatizado de matrícula e acabe com tanta burocracia e desgaste

domingo, 19 de abril de 2009

Ayla Franciele

Depois de uma semana agitada, sem tempo para nada, noites mal dormidas, enfim chegou as tão sonhadas férias da faculdade, se é que pode chamar isso de férias, dia 28 já tenho aula, mas é melhor esses dias do que nada.

Dá tempo de pelo menos olhar as fotos da semana santa. Apesar dessa correria toda, dei uma escapada e fui rever minha família, meu amigos, meu lugar, aliás não sei como seria uma semana santa longe deles como também longe de toda aquela tradição e mitologia que ainda cercam aquele lugar nessa data.

Foi dias maravilhosos, reecontrei todas as pessoas especias pra mim, entre elas a Ayla Franciele, minha sobrinha de 5 meses. Retificando, minha quase sobrinha, pois ela é neta da minha madrasta.

Depois do seu nascimento só tinha visto ela uma vez e não imaginaria que ela estaria tão fofa assim. Eu virei literalmente uma titia coruja, mas esse contato com ela me fez refletir muita coisa.

Eu e a Jucy engravidamos no mesmo período, ela teve uma gravidez tranquila e a Ayla está ai pra provar isso, ao minha ao contrário foi complicada e só tive o prazer de ouvir uma única vez o coraçãozinho do meu bebê. Perde-lo me trouxe muitas marcas, acredito que um dos quadros de Frida Khalo representa o momento que passei, já cheguei a posta-lo aqui. Me senti impotente, fracassada, principalmente por que foi minha segunda perca, um desgaste físico e emocional inexplicável.

Nesse dias que reencontrei a Ayla, passei momento imaginando como a "Luiza" estaria se ela tivesse nascido. Contudo eu olhava para a Ayla e me alimentava com um sentimento de conformação, não era o momento da "Luiza" vim ao mundo, talvez eu não estava preparada para ser mãe ainda e que tudo tem seu tempo certo para acontecer.

Eu acreditava nisso tudo, e a Ayla com seu sorriso de anjo me confirmava tudo isso.



domingo, 5 de abril de 2009

Joãozinho

Ele chegou e logo conquistou nossos corações,
com seu chame envolveu a todas.
Seu jeito simples nos enfeitiçou.
Foi amor a primeira vista.

Ele foi embora...
Agora estamos tristes,
sem sentido pra viver.





Volta Joãozinho!!!!!!!!!!!!!!

Sobradinho

Eu olhava e não me cansava de olhar
e ao mesmo tempo começei a imaginar
que debaixo de tanta água
havia histórias pra lembrar.

Quatro cidades,
Remanso, Casa Nova, Sento Sé e Pilão Arcado
sairam de cena, foram engolidas pelas águas
em nome do desenvolvimento.

Ao meu lado a mulher chorava
e me contava que ali ela havia nascido e crescido.
Naquele espaço ela tinha lembranças
como todos temos,
um risco na parede;
um canto preferido;
a árvore de frente em casa,
a rua que levava a tantos lugares...

Acho que por mais que eu tenha me emocionado
em ver tanto água no meio do sertão
emoção maior era a daquela mulher
que via a água sobre sua história...



Debaixo d'água lá se vai a vida inteira
por cima da cachoeira a gaiola vai subir
vai ter barragem no salto do Sobradinho
e o povo vai se embora com medo de se afogar.

Sá e Guarabira

terça-feira, 31 de março de 2009

A experiência do IRPAA

Alguns meses atrás, Maisa, coordenadora do Projeto de Extensão de Formação de Professores na perspectiva da Educação para a Convivência com o semiarido, cogitou a possibilidade de conseguir 5 vagas para a Escola de Formação para a Convivência com o Semiarido do IRPAA. Eu nem pensei direito e já confirmei meu nome para participar do evento. Os meses se passaram, a maioria dos alunos desistiu do projeto, uns por falta de interesse e outros pelo fato de não ser tão vantajoso para as ACC. Muitos até me perguntavam por que eu ainda participava do projeto apesar de não usufruir mais da carga horária pra ACC, continuava ali, o tema era instigante e conseguia mais fundamentação teórica para o projeto da Iniciação Cientifica, já que abordava o semiarido.

Voltando a história inicial, Maisa conseguiu as vagas em um número reduzido, apenas 3, o que acabou sendo muito, pois do grupo que tinha se disposto a ir, só restava eu, ainda precisaríamos de mais duas pessoas, surge Paulinho e Yara.

Vagas preenchidas, malas a arrumar, acordos a serem fechados...Primeiro foi aquela ladainha por causa das faltas na Universidade, segundo, fomos informados que a Escola de Formação do IRPAA era realizada em 13 dias, muito tempo pra nós, inclusive por que estávamos com um seminário marcado para 160 professores da rede municipal de ensino e o grupo de monitores já era pequeno, não podíamos desfalcar a equipe. Só poderíamos ficar 8 dias.

Tudo certo, fomos pra Juazeiro - Ba, lugar onde seria realizado a Escola de Formação. Acho que nós três, inclusive eu que já era mais veterana no grupo, foi para o encontro meio nas escuras, tínhamos poucas informações sobre como seria realizado o encontro. Maisa apenas deu algumas informações básicas e pronto.

Chegando em Juazeiro - Ba , um funcionário do IRPAA veio nos pegar na rodoviária e ai começou as surpresas. O encontro acontecia em uma fazenda a 12 km de Juazeiro, ou seja fora da cidade. A fazenda era rústica, até ai tudo bem. Mas cadê o barulho da cidade, o sinal do celular, a internet? A invés do barulho da cidade, encontramos os ruídos dos grilos e das rãs, o sinal do celular só era possível se subíssemos em uma cisterna e a Internet não existia, apenas uma televisão para nos alegrar.

Paulinho disse logo.

__Fico não!!!

Depois de uma conversa combinamos ficar, poderia ser uma experiência interessante. Apesar do escuro no deslocamento para as refeições, de dividir a televisão para 70 pessoas e de ter como intrusos, um trilhão de pernilongos. Ah, esqueci de disse, esses pernilongos era de uma espécie rara, uns dinossauros como disse Clebinho, não tinha repelente que desse jeito neles.

Após o jantar nos reunimos no salão de evento para as devidas apresentações. Começamos a ter uma dimensão do encontro, tinham representantes de todos os estados do nordeste, exceto Maranhão. A Bahia contudo apresentava uma maior comitiva. As pessoas representavam na grande maioria Movimentos, Associações, etc. Nós e que aparentemente estávamos como curiosos, mas logo nos encontramos, visto que a educação era uma das abordagens principais da Escola de Formação.

Mais uma supresa, as atividades começariam as 6:00 horas da manhã e terminaria as 21:00 hs. Como assim, não acordo antes das 8:30? Hehehe, senti que tinha me ferrado. Mas vamos lá... Iarmos ter atividades que colaborem para a realização do evento, cada um lavava seu prato, copo e talheres e em dias alternados ficariamos responsáveis pela limpeza do salão, abastecimento de água, limpeza do refreitório, lavar as panelas e etc. A alimentação também condizia com o que estávamos discutindo, ou seja, comemos quase todos os dias bode, e o milho foi substituído pelo sorgo (atividades apropriadas a realidade do semiarido).

Essas pequenas supresas que poderia ser um desetimulo, acabou sendo a parte divertida, o melhor dia, era o de lavar as panelas, a televisão pouco era ligada, montamos umas bandas para tocar a noite e os nomes já diziam tudo, "É ruim, mais é ao vivo", "Tudo pela metade","Esqueci a letra". Criamos um correio da amizade. Ah, também nos divertimos muito no viveiro, na madala, no chiqueiro, coisa que até então parecem repugnantes, foi um rico aprendizado em todos os aspectos de nossas vidas.

Não posso deixar de mencionar as pessoas maravilhosas que encontrei naquele lugar, Nisse, uma estudiosa que nem eu, José Renato, o melhor locutor do mundo, Telma, a evangélica mais liberal, Tainá, a menina do sorriso meigo, Ilza, a batalhadora, Daniel, uma pessoa simples e humilde , que tinha uma história linda, Clebinho, um palhaço por paixão, Eltelina, a lutadora e Maria a pessoa mais incrível que já conheci. Dela me permito comentar um pouco. Há 14 anos ela veio da Alemanha pra ajudar o povo do semiarido a encontrar água com sua sensibilidade. Ela é conhecida como a mulher que encontra água. Hidroestesia é o nome da técnica, resumindo pessoas sensíveis a encontrar a energia de minerais, no caso Maria encontra água. A função dela no evento e encontrar mais pessoas com esse dom, infelizmente só captei ondas eletromagnéticas. O dom de Maria não era o que a deixava especial, o que encantava mesmo era sua simplicidade, seu carisma, seu carinho.

O que essas coisas tão pessoais vieram fazer aqui num lugar aparentemente público? Isso tem um motivo óbvio, esses blog tem a função de registar momentos de minha vida, que se alternam em realidade e imaginação. E esta sem dúvida foi uma das mais incríveis experiencias que já vivi. Acredito que essa foi uma das melhores formas de adquirir conhecimento, ele veio de todos os lados e de varias formas .

Toda vez que eu quiser relembrar esse marco, irei olhar minhas 500 fotos e reler essa postagem, assim lembrarei o quanto o IRPAA transformou muito dos meus conceitos e como me mostrou as melhores lições de vida que alguém podia passar.As lágrimas que caíram do meu rosto na despedida, representam muito o que foi a experiência do IRPAA, pois nunca mais eu verei aquelas pessoas, nunca mais irei ver o semiarido com via, nunca mais irei educar com educava e nunca mais serei do jeito que era.


segunda-feira, 9 de março de 2009

Mais um concurso!!!!!!!

Não podia deixar de registrar minha aventura em mais um concurso. Afinal já foram tantos, sempre na esperança de conseguir essa tal "estabilidade'. Mas quem não a quer? Esse concurso em especial foi um daqueles que você não se imagina no emprego, pois estou concorrendo uma vaga para a Polícia Militar do Estado da Bahia.

__ Polícial Militar????!!!!!!

Pois é, acreditem se quiser. Eu sei que não tem nada haver comigo e com o que estou estudando (Pedagogia), contudo resolvi arriscar. Também preciso me redimir comigo mesmo, pois imaginem como eu fiquei, quando eu vi que chamaram 105 pessoas no último concurso da PM e fiquei na 106.

Tudo bem... já estou até acostumada, em um outro aceite 24 questões e com 25 garantia uma vaga. Outro eram 15 vagas fiquei na 16ª.

__ O pé frio!!!!

Não sei se tenho mesmo o pé frio, só sei que é horrível segurar na maçaneta da porta e não poder entrar. Contudo o que me deixa mais conformada é saber que tanto nem avistaram a calçada.

A prova de ontem eu adorei. Será que dessa vez eu passo??????

__Acalme-se meus leitores, só no meio de abril sai o resultado.

Até lá vou ficar só na expectativa, me preparando para os próximos e tentando me livrar de ansiedade que me atormenta em dia de prova (ontem eu estava mais calma) e do monte de exagero que me acompanha pelos concursos da vida.

__Exagero?????!!!!

__Sim. 5 lápis e 7 canetas responde sua pergunta?



sexta-feira, 6 de março de 2009

Entregando os cargos

Estou entregrando o cargo de:

Boa dona de casa;
Esposa carinhosa;
Irmã preocupada;
Aluna exemplar;
Ótima estagiária;
Profissional responsável;
Bolsista dedicada;
Monitora eficiente;
Candidata estudiosa;
Amiga prestativa;

Pois é, tento desenvolver todas essas funções..., mas estou entregando todos esses cargos por que necessito dormir 14 horas interruptas.

Se preocupem não, que assim que acordar eu as quero de volta.

Combinado?


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

A maior invenção!!!

Qual a maior invenção de todos os tempos?

_A roda?

_O telefone?

_A internet?

Nada disso, foi a prancha.


Antes

Depois


Alguma dúvida????

Recaída

__Precisamos ter uma conversa muito séria Dona Maisa.

__Já sei D. José, descumprir suas ordens, ou seja, tomei refrigerante.

__Ainda bem que você já sabe do que se trata. Estou muito decepcionado com você.

__Mas doutor, foi só um pouquinho...

__ Desde quando três copos e meio é pouco?

__É pouco se levamos em conta o aniversário da May e o carnaval. Relaxe doutor que já voltei novamente a minha disciplina. Afffffff!!!!!!!!!!!!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Carnaval

Depois de uma difícil escolha entre o maior carnaval do mundo (Salvador), o frevo e o maracatu de Recife, as escolas de samba de São Paulo e Rio de Janeiro e o Carnavalito de Senhor do Bonfim. Resolvi ficar com a última opção.

__Conta essa história direito...

__Tá bom, confesso, estou lisa, sem uma banda de conto, comprando fiado e pedindo troco e por isso vou ficar aqui mesmo.

Apesar de não ser minha terra natal, não vou deixar minha cidade pra moscas, irei fazer parte do pequeno grupo (lisos que nem eu) que não irão viajar nesse carnaval. A opção que nos resta, fora a assisti filmes ou ficar na internet é ver o Carnavalito. Traduzindo é o desfile de alguns blocos, que na maioria das vezes é liderado por um travesti. Apesar da Prefeitura apoiar a iniciativa desses bairros, a apresentação é uma badena só, muita briga, rivalidade. O que era pra ser motivo de alegria vira motivo de agressões e até prisões.

Finalizo na esperança que esse ano as coisas mudem e possamos ter um carnaval de paz. E aos que viajaram...

Curta muito!!!!!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Imaginação

Uma tinha...

Cor vermelha,
objetos arredondados,
cheirinho bom e
um som gostoso.

A outra tinha cor opaca
objetos quadrados,
sem cheiro e sem som.

Qual das duas optar?

Nenhuma, apenas o vazio da noite.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

O Ano da Crise

Sentada na calçada as tardizinhas ouvia as histórias de Dona Biliu, senhora saudosa, que sempre dava conselhos aos jovens. Para as moças ela dizia tudo que precisávamos fazer pra arrumar um bom marido.

__ Aprendam a fazer um requeijão e a preparar uma buchada, se não vão ficar encalhada.

Acho que ouvi demais os conselhos daquela senhora e aos 16 anos estava subindo ao altar de véu, grinalda, tapete azul (fugir do tradicional vermelho) e tudo que tinha direito. Casei tão cedo não por que sabia fazer o dito requeijão ou preparar a buchada, meu marido até então nem sabia que leite vinha da vaca, mas por que como F. (marido) diz " Ninguém ia ter coragem de encarar teu pai". Ele diz isso só pra não confessar que é apaixonado por mim, que eu sou a mulher da vida dele e aquele monte de outras coisas que queria tanto ouvir.

Bom, entre convergências divergências...

__Divergências???

__Divergências sim. O seu relacionamento não tem? Se preocupe não que logo elas aparecem.

Voltando a história, daqui a algumas horas estaremos adentrando a ano 7, ou seja, o ano da crise. Na numerologia o número 7 é o número da perfeição pois temos: os 7 dias da Criação do Mundo, os 7 Raios da Luz Sem Fim, o “7º Céu”, os 7 Arcanjos do Trono de Deus, os 7 degraus da Escada de Jacob referidos na Bíblia que representam os 7 Planetas Sagrados com Aura astro-etérea de ascensão astrológica por onde temos de passar até chegar á Perfeição… Na Terra temos: as 7 cores do Arco-Iris, os 7 dias da semana, as 7 notas musicais, as 7 artes, os 7 ‘chakras’ do corpo humano, os setes grupos de vértebras, os 7 orifícios no crânio, as 7 virtudes humanas, os 7 pecados capitais ... tudo se processa no Universo dentro dum ritmo Septenário.

Tudo muito lindo, porém na nossa cultura o ano 7 no casamento significa o ano em que todo casal passa por uma grande crise, tipo uma prova de fogo. Talvez isso explique as rugas na testas do meu marido, e eu que pensei que fosse por causa da idade. (Hehehe).

Não acredito e ao mesmo tempo acredito nessas profecias. Se a crise vim e conseguirmos passar por ela vocês tomarão conhecimentos nas postagens do ano 8, 9, 10... Mais meu bem não custa nada mudarmos um pouco!!!

Se não... que seja bom enquanto dure.

"A Insustentável Leveza do Ser"

Com cada livro que li construir uma história. Elas são diversificada, às vezes eu me envolvo demais e outras vezes me decepciono. “O Mulato” de Aluísio Azevedo, por exemplo, foi uma história forçada, pra fazer a prova do vestibular, mas no final acabamos virando amigos, aquele final deixa qualquer pessoa mais emotiva e por isso o perdoei. “O doce veneno do escorpião” foi uma história enojada, meus princípios não conseguiram compreender como ela vulgarizava tanto corpo e sem nenhuma culpa. Ainda hoje me embrulha o estômago imaginado ela fazendo sexo com "8" homens ao mesmo tempo.

Também tem as histórias de amor e ódio. A de amor vivi com "Depois daquela viagem" de Valéria Polizzi, o que explica eu já te lido ele umas três vezes e em todas ter chorado (Como sou bobinha!!!). A de ódio foi com "A arte da Guerra" de Sun Tzu, que decepção!!!!!

As histórias são infinitas, não é a toa que meu apelido é traça de papel, mas meu objetivo com essa postagem é relatar minha história com "A insustentável Leveza do Ser" de Milan Kundera.

Tudo começou em uma noite...Sabe aqueles dia que você se pergunta que é você? o que quer da vida? o que estou vivendo vale a pena? Resumindo, crise de identidade. Mas naquela noite encontrei um dos meus amigos disponíveis pra ouvir todos os meus lamentos (coitado!!!), falei pelos cotovelos, como sempre . Meu amigo ouviu tudo e simplesmente me indicou esse livro.

__Como assim???

__Pois é, ele tem esse diferencial, nunca concorda ou discorda com minhas lamurias, às vezes ele fica calado, não responde nada e outras me indica coisas pra ler.

Saindo dali fiquei pensativa sobre o que esse livro tinha de especial, ou como ele poderia me ajudar a sair da crise. Comentei com algumas pessoas sobre o livro e foi quando a Rubi me disse:

__Já li 10 vezes.

__Como???

__Isso mesmo, 10 vezes.

O livro deveria ser expcional. Então decidi que deveria ler o dito livro. Conseguir baixar pela net, e iniciei a leitura, porém faltava algo, aquele folhear , o cheiro do papel, o fechar os olhos e imaginar a história em tempo real, tudo que adoro fazer. Resolvi comprar o livro e depois de alguns meses "A insustentável Leveza do Ser" chegou em minhas mãos e de cara já enfrentou um problema, ou seja, entrar na fila das incontáveis leituras obrigatórias da faculdade.

A semana passada resolvi deixar tudo de lado e ler Kundera e confesso que foi uma das mais gostosas leituras que já fiz. O autor é fabuloso ao narra a história dos 4 personagens, as vezes acreditamos que são 5 pessoas, pois Milan Kundera com eloquência de suas palavras se envolve literalmente na história. O texto é todo marcado por trechos que nos identificam, talvez eu tenha entendido por que gosto tanto de ficar diante do espelho (Hehehhe). Contudo a essência do livro é você entende como é a leveza e o peso do ser.

Com esse livro vivi uma história inesquecível, e concerteza Kundera me proporcionará muitas outras. Sem mais considerações, pois essa postagem também é uma indicação e vocês não querem saber a história do livro, ?Deixo apenas um trecho...

O sonho não é apenas uma comunicação é também uma atividade estética, um jogo da imaginação, e esse jogo tem em si mesmo um valor. O sonho é a prova que imaginar, sonhar com aquilo que não aconteceu, é uma das mais profundas necessidades do homem. Eis aí a razão do perigo pérfido que se esconde no sonho. (p. 60)

Que venha outras histórias!!!!


quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

De volta ao passado

Tudo continuava igual...
a casa, a rua, a avenida, os pontos de ônibus...
parecia que nada tinha mudado.

Mentira!

Eu mudei.

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Pior cego é aquele que não quer ver

No último final de semana foi realizado o vestibular da UNEB, aquele em que um monte de sonhadores tentam entrar no paraíso. Alguns colegas de minha irmã estavam hospedados em hotel meia estrela, ou seja, aqui em casa. Ah entre eles o Carmo Della Vechia (hehehe). Foi aquela farra, com direito a acampamento no quarto e tudo, mas lá no fundo eu sabia como eles estavam se sentindo, pressionados, tensos, ansiosos e com todos aqueles sintomas de véspera de prova.

Apesar de deixa-lo bem a vontade, puxando resenha, contando piada sem graça e outras coisas que eu como uma pessoa chata faço, a inquietação em saber qual seria o tema da redação não fugia do mente deles, chegaram a cogitar o aquecimento global , a crise mundial...

De volta do primeiro dia de prova o assunto mais comentado foi o tema da redação " Pior cego é aquele que não quer ver". Um pouco subjetivo, mas com várias formas de abordagens. Entre eles mesmo houve redações completamentes diferentes, o que demonstrou essa variedade de interpretações.

Bom eu também tentei me arriscar com uma nova interpretação da temática, lembrando do filme "Ensaio sobre a Cegueira" baseado no romance de José Samarango, onde poderia associar alguns elementos, ou talvez faria uma fundamentação com base na teoria de Gentilli sobre o olhar normalizador que temos sobre as questões sociais. Como estou vivendo uma fase poética lembrei também da história da violeta, sei que não encontraria elementos pra fazer minha dissertação , nem sei se realmente tinha relação com a temática, mas mesmo assim pensei muito nela e resolvi passar a ideia da história pra vocês.

Em um belo jardim vivia uma bela violeta, mas pouco se interessava em ressaltar sua beleza e sua vitalidade, ela vivia por viver. Todos ao seu redor aconselhavam a se valorizar mais . Porém ela não dava muita importância. Até que um dia ela percebeu que o sol a olhava de outro modo, como se só tivesse luz e calor pra ela. A violeta sempre ouvia de todos que era especial, contudo só se sentia especial no momento em que o sol irradiava luz em sua direção. Houve assim uma transformação, a mesma passou a andar sempre linda, com folhas sempre verdinhas suspirando amor a todos que por ali passavam. Ela estava apaixonada pelo sol e agora queria viver pra ele. O tempo passou e a violeta descobriu que o sol não brilhava só pra ela, e sim pra todos. Que tristeza!!! O retorno àquela vida de antes foi inevitável. O que a violeta nunca percebeu e que mesmo com a luz do dia ou com a escuridão da noite a lua sempre a admirava e nunca fez alarde nenhum pra mostrar seu encanto por ela.


P.S. História resumida e sem dados autorais.



Descoberta


No ímpeto dos meus 23 anos
depois de tantas descobertas
descobrir o que ainda se escondia em mim
algo novo que estou tentando trabalhar
pois já perceberam que não consigo me controlar.

Não sei o que faço, é mais forte que eu
quando vejo já estou lá
Com aquele sorriso de sapeca,
sem sandálias, pulando, agitando...
chego a ficar descomposta diante dos outros.

Me diga o que fazer !!!
Descobrir que ainda sou criança.
e que não paro de brincar
no ambiente que eu devia estudar.

E tudo isso é culpa do Pascoal
que levou pra aula
um pouco de Ludicidade
para auxiliar nossa praticidade.



domingo, 1 de fevereiro de 2009

Muito trabalho!!!! (Parte 2)

E a piada continua...

__Amiga como você está com uma cara de cansada!!

__Pois é amigo... está sendo uma dureza ter que pegar o Márcio Garcia, e daqui a alguns dias vou ter que pegar o Rodrigo Lombardi.

__Então amiga tu está cheia de recursos.

__Que nada amigo, a Rede Globo paga mal, a prova disso é que o Carmo Della Vecchia já está a dois dias em minha casa pra fazer as provas do vestibular.

Hehehehe.

P.S. Rafa a casa sempre estará a sua disposição.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

A roupa

__Mais um dia comum na facul!!!

__Mentira.

__Eu estava usando uma roupa diferente. Bom pra mim não era diferente, mas devia ser, pois todos fizeram algum comentário.

Inspirada nos comentários (que fez um bem danado para o ego) trago pra vocês um poema de Álamo Pimentel.


A roupa

A roupa guarda muito de mim.
Guarda aqueles que conheço há muito.
Guarda também aqueles que não sei.
A roupa narra muitos de mim.
Narra os que andam por aí.
Narra também os que se escondem.
Os que se apresentam para os íntimos,
e os que nem para os íntimos se revelam.
Com suas cores, imagens, tecidos e
costuras,
as roupas confessam presenças nos
caminhos que faço.
Guardo em minhas roupas o
Inconfessável também.
Pensar numa roupa situa-me no oco do
pensamento,
primeiro preciso vestir o vazio das idéias.
Sensações mudas me sugerem:
a velha camisa e a calça nova,
Há sensações que sugerem outra coisa.
Há ainda as sensações que sugerem um
certo estado de nudez
diante das roupas decompostas no
armário.

A roupa desafia meu pensamento
quando vesti-la não cabe num conceito.
A roupa antes de ser usada
Ás vezes precisa ser inventada por dentro da gente.
Aí, quando a roupa se mostra vira pele
Do que está por dentro.
Ás vezes a roupa não inventa nada.
Cria apenas a superfície do que se deixa ver.
Uma superfície que se deixa ser como as outras.
A esse tipo de vestimenta que me iguala a muitos,
tenho-na como roupa de desaparecer.
Até para torna-se invisível é preciso
uma roupa de sumir.
A roupa alinha, cria, equipara,
Desnivela, aproxima e distância.
A roupa guarda tanto quanto revela de mim.
Creio que não seria infâmia filosófica
dizer: “visto logo êxito”.
á medida que revela e segreda existências,
a roupa é a outra casa do ser,
a casa que se move com o ser,
a casa que move o ser.
A roupa traduz o que indetermina o ser.
A roupa é o que está com o ser.
A roupa traduz várias formas de ser num
mesmo dia.
A roupa é o que está.
Uma forma de apresentar estados do ser.

A roupa guarda as memórias dos abraços
e dos empurrões.
Das carícias e das violências.
A roupa guarda as marcas dos outros em mim.
Os odores que me atravessam entranham a roupa.
A roupa respira e transpira os odores
que desentranhados de mim
espalham-me em cheiro pelo caminho.

A roupa é uma espécie de linguagem
Desenhada no meu corpo.
Ao mesmo tempo que lê os meus estados
de ser,
lê os outros dos meus estados de ser.
Ainda assim fala outras tantas
linguagens.
que me faziam antes mesmo desta existência.
Ao mesmo tempo em que se desenha
no corpo que lhe preenche,
a roupa desenha-me auto-confissões.
Ás vezes chego a crer que me vestir
É uma compulsão de dizer-me.
Dizendo-me com as linguagens dos tecidos,
Das linhas, dos botões, das casas, dos ilhoses, dos cordões
e de toda essas coisas de que são feitas
as roupas.

A roupa é o que abre-e-fecha.
É também o que empresta aos olhos
dos outros
o desejo de vê-la ou não vê-la em meu corpo.
É pura instabilidade.
Aos olhos dos outros a roupa empresta insensatez
quando eu quero oferecer bom senso.
Aparência quando eu quero oferecer essência.
Fresta quando eu quero vedar tudo.
Estampa quando eu quero apagar tudo.
Diferença quando eu busco oferecer semelhança.

Quando a roupa é leveza sou com o vento.
Quando a roupa pesa torno-me monumento.
Quando a roupa desaparece sou como o sol que abraça despido a terra.
Quanto mais escura a roupa mais sou lua nova.
Quanto mais a roupa se deixa iluminar mais sou lua cheia.
Quanto mais a roupa brilha mais estrela eu sou.
Quanto mais a roupa encharca, mais nuvem carregada de outras chuvas eu me torno,
Quanto mais passageira é a roupa mais tempo eu sou.
Quanto mais medidas de mim são roupas, mais espaço eu me torno,
para os outros tantos que não sei quem sou.
Quanto mais colorida a roupa, mais eu sou primavera.
Quanto mais sem cor a roupa, mais eu me desenho em seus brancos.
Quanto menos de roupa carrego mais me subtrai a coragem
porque sobra muito de mim para os outros quando me falta roupa.

Cada roupa que me veste é um texto,
tecido de palavras herdadas e palavras inventadas.
Para dizer aos poucos em laço e nó,
O que quero que saibam de mim.
O texto só se faz aos olhos dos outros,
Ás vezes só os outros conseguem ler
Os escritos que eu mesmo fiz sem sabê-los.

A roupa é o que me pendura no armário.
O que me sacode por dentro.
A roupa é o que me detém e o que me liberta.
A roupa é apenas o que me passa pelo corpo
e me carrega aos poucos nas lembranças dos suores.
Cada roupa confessa o que de mim se vai,
quando eu procuro tudo que ainda não veio,
ou simplesmente tudo que repito do que já fui
quando me falta inspiração para mudar alguma coisa.
Em qualquer intervalo de tempo,
a roupa é o presente que escapa a cada instante.
Cada roupa é a minha derradeira confissão.
Cada roupa é a minha penúltima verdade e dúvida.
Verdade e dúvida que são sempre penúltimas,
porque a quando estiver com a minha última roupa,
Não terei me vestido,
serei a verdade e a dúvida dos outros
vestidos em meu corpo.